Especialista peruano em teologia da libertação revela “esquema” por trás do Sínodo da Amazônia

Por Diana Montagna

 

Roma, 22 de junho de 2019 (LifeSiteNews) – O próximo sínodo dos bispos na região amazônica é um “esquema” que visa “renovar” a Igreja de acordo com as “versões mais radicais da teologia da libertação”, disse um autor peruano.
Julio Loredo, presidente do ramo italiano da Tradição, Família e Propriedade (TFP) e autor da “Teologia da Libertação, um colete salva-vidas para os pobres feito de chumbo” [Teologia della liberazione. Un salvagente di piombo per i poveri (Cantagalli, 2014)], disse que o “incontável” backstory do Sínodo Amazônico é que tem sido décadas em formação, e é projetado para “mudar toda a Igreja” de acordo com “indigenista chamado teologia ecológica ”.

 

n/d

 

“É uma reformulação completa da Igreja do ponto de vista” amazônico “, que nada mais é do que a culminação da teologia da libertação”, disse Loredo em comentários à LifeSite na sexta-feira, 21 de junho.
Loredo, que é editor e colaborador regular do novo site, “Pan-Amazon Synod Watch” (lançado por uma coalizão internacional que busca combater tais esforços), observou que essa visão “agora está sendo proposta por um Papa latino-americano para toda a Igreja ”.
“Isso é muito importante”, disse ele, acrescentando que essa visão “também coincide com as visões mais extremas dos modernistas e progressistas em termos de eclesiologia”.
Loredo observou que o próximo Sínodo “está sendo preparado e composto por uma rede bem organizada de associações e movimentos ‘indigenistas’”, como a REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazônica).

 

“Todos os seus mentores vêm das dobras do movimento da Teologia da Libertação”, disse ele.

 

n/d

 

“Outro ponto a ser feito”, Loredo acrescentou, “é que a encíclica Laudato sim é a base doutrinária para o Sínodo.” Esta encíclica, disse ele, “tem partes inspiradas pela teologia da libertação ecológica, ou eco-teologia, e peças baseadas sobre documentos das Nações Unidas, como a Agenda 21 e o Tratado sobre biodiversidade. ”
“Estes são tratados vinculantes para todos os países que assinaram durante a Cúpula da Terra no Rio de Janeiro, em 1992”, explicou o autor peruano. “Esses documentos foram estudados e propostos por pesquisadores da Internacional Socialista que buscavam explorar formas de pós-socialismo ou pós-comunismo. Conceitos como “desenvolvimento sustentável” e “crescimento negativo” foram lançados por esses documentos. Então, não estamos falando apenas da Igreja na Amazônia ”.
Loredo disse que ficou impressionado com a medida em que o Vaticano, através do Sínodo Pan-Amazônico, está assumindo “a agenda neopagã proposta pelas Nações Unidas em conferências como a Cúpula do Rio de 1992 e a Cúpula Rio + 20 de 2012. .
“Participei, como jornalista, da conferência de 1992 e estudei essas questões em profundidade.”
Voltando ao documento preparatório e ao Instrumentum laboris para a reunião de outubro, Loredo disse que os documentos “abraçam [uma] interpretação radical do ‘desenvolvimento sustentável'” é particularmente preocupante.
Igualmente preocupante, disse ele, é a completa ausência de qualquer coisa negativa sobre as tribos amazônicas, algumas das quais ele disse “pratique o canibalismo, o infanticídio e a feitiçaria”.
“Para alguém como eu que estuda teologia da libertação e teologia indígena há tantas décadas, muitas coisas nesses documentos são perfeitamente claras”, disse Loredo. “Mas para alguém que não seguiu essas correntes, pode ser desconcertante, ou pelo menos não totalmente compreensível.”

 

Aqui está a nossa entrevista com o Sr. Julio Loredo.

 

LIFESITE: Sr. Loredo, que é responsável pelo lançamento do website “Pan-Amazon Synod Watch”, e que garantia você pode dar aos leitores de que eles encontrarão nele uma fonte confiável de informações sobre as questões que cercam o Sínodo de Outubro?

 

JULIO LOREDO: O site foi criado por uma rede internacional de associações conservadoras. Pertence oficialmente ao Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, em São Paulo, Brasil.O doutor Corrêa de Oliveira (1908-1995) estudou as chamadas correntes indigenistas dentro da Igreja desde o início dos anos 1970. Mas é um site internacional que implica não apenas Tradição, Família e Propriedade, mas também outras associações conservadoras internacionalmente.
Contém artigos de especialistas de renome, cientistas, filósofos e professores; portanto, o material que ele apresenta é altamente acadêmico. Por exemplo, contém artigos do professor Evaristo Miranda, um dos maiores especialistas do mundo na Amazônia. O Dr. Miranda é o chefe da EMBRAPA, responsável pelo monitoramento por satélite da Amazônia no Brasil. Como você deve saber, o Brasil tem seu próprio programa espacial. O sistema de satélites no Brasil é altamente desenvolvido. EMBRAPA Monitoramento por Satélite é o órgão do governo que monitora a Amazônia, e o Prof. Miranda é o seu chefe. Há muitos artigos de Miranda, bem como os principais ecologistas dos Estados Unidos e de outros países. Figuras muito autoritativas estão escrevendo para o site.
O Vaticano lançou o Instrumentum laboris para o Pan Amazon Synod no início desta semana. Ele atraiu considerável atenção da mídia, particularmente por sugerir um relaxamento no celibato sacerdotal para a região amazônica. Na sua opinião, o que, na sua opinião, os meios de comunicação e os clérigos católicos e os fiéis devem saber mais sobre a próxima reunião? Onde devemos nos concentrar nossa atenção?
Há uma história não contada que não recebeu atenção suficiente na mídia ocidental. O cardeal Pedro Barreto, vice-presidente da REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazônica), disse muito claramente nos últimos dias que o plano que pretende realizar no Sínodo é um dos que vêm trabalhando há quase 50 anos. Então, há todo um plano, todo um esquema, por trás do Sínodo, que consiste na introdução da chamada teologia da libertação indigenista que vem se desenvolvendo nos últimos 40 ou 50 anos. Agora seria a hora de propor isso a toda a Igreja.
A mídia européia está se concentrando no celibato clerical e na possível “ordenação” diaconal para as mulheres, e com razão. Esses são aspectos muito importantes do plano, mas há toda uma história por trás disso. O que eles querem é mudar toda a Igreja de acordo com as versões mais radicais da teologia da libertação – a chamada teologia indigenista e ecológica.
Temos acompanhado isso há muitas décadas. Em 1977, Plínio Corrêa de Oliveira escreveu um livro sobre isso, intitulado “Tribalismo Indígena: O Missionário Comunista-Ideal para o Brasil no século XXI”, no qual ele descreve muito bem o que está acontecendo hoje. No entanto, esse panorama não está muito presente nem é amplamente conhecido pelo público europeu. Era mais uma situação latino-americana, que agora está sendo proposta por um papa latino-americano para toda a Igreja, e isso é muito importante. Também coincide com as visões mais extremas dos modernistas e progressistas em termos de eclesiologia.
No Sínodo da Juventude do ano passado, algumas questões controversas (como a inclusão da linguagem “LGBT”) foram antecipadas, mas a forte ênfase do documento final na “sinodalidade” e eclesiologia não era esperada. Quais são as surpresas que o Pan Amazon Synod considera?
Se você ler os documentos preparatórios para o Sínodo, especialmente o Instrumentum laboris, verá que eles querem reinterpretar toda a Igreja de uma perspectiva “amazônica”. Eles a chamam de nova Igreja com “um rosto amazônico”. Eles querem reinterpretar toda a Igreja, e este é um ponto que eu acho que a mídia européia não está enfatizando o suficiente. Não é simplesmente o problema de relaxar o celibato clerical, por mais importante que seja, ou o problema da ordenação de mulheres. É toda uma reformulação da Igreja do ponto de vista “amazônico”, que nada mais é do que a culminação da teologia da libertação.
Se eles conseguirem, seria a revolução mais perniciosa que já aconteceu na história da Igreja – se eles conseguirem o que querem.
Na conferência de imprensa de 17 de junho para apresentar o Instrumentum laboris, a LifeSite perguntou aos organizadores do sínodo sobre isso. “Ao ler o documento de trabalho”, dissemos, “[ficamos com a impressão de que a idéia não é apenas ajudar a Amazônia, mas também dar ao resto da Igreja ‘uma face amazônica”, uma expressão que o Papa Francisco usou vezes. Este Sínodo terá implicações e ramificações para o resto da Igreja? ”, Perguntamos. O bispo Fabio Fabene, subsecretário do Sínodo dos Bispos, respondeu insistindo que este sínodo é dedicado apenas à Amazônia. Mas ele acrescentou que poderia haver repercussões “do ponto de vista pastoral também para a Igreja, especialmente … no campo da ecologia”.
Exatamente. Eles estão propondo toda uma série de idéias, como a “conversão à ecologia integral”, válida para toda a Igreja. Eles estão usando o Sínodo Pan-Amazônico para propor um novo modelo para a Igreja.

 

Você acredita que os povos indígenas estão sendo explorados para realizar a revolução eclesial que você descreve?

 

Este Sínodo está sendo preparado e composto por uma rede bem organizada de associações e movimentos “indigenistas”, como o já mencionado REPAM. Todos os seus mentores vêm das dobras do movimento da Teologia da Libertação que, nos anos mais recentes, tem evoluído neste sentido, bem como no sentido de uma “ecologia integral”. Nesta busca, eles envolveram algumas motivações altamente motivadas. Índios da Amazônia, como o chefe do Cayapó, Raoni. Mas duvido que eles representem a maioria dos povos indígenas. Conhecendo muito bem a realidade amazonense, eu diria que a grande maioria quer integrar-se à sociedade moderna.
Outra passagem no Instrumentum laboris que está levantando preocupação é n. 129. Afirma que, como a “autoridade” na Amazônia é “rotativa”, seria oportuno “reconsiderar a noção de que o exercício da jurisdição (poder do governo) deve estar vinculado em todas as áreas (sacramental, judicial, administrativa) e um caminho permanente para o sacramento da Ordem. ”
Como eu disse, eles querem renovar toda a Igreja do ponto de vista “amazônico”. Um capítulo no documento preparatório tratou da “dimensão sacramental” e afirmou que os sacramentos tinham que ser reinterpretados sob essa luz, incluindo o sacramento das ordens. É óbvio que eles estão usando o “rosto da Amazônia” como pretexto para implementar um antigo esquema progressista: confusão em relação ao sacerdócio comum dos fiéis e ao sacerdócio sacramental do clero. Eles querem atenuar, se não destruir, a autoridade na Igreja. Deles é uma visão igualitária dessa Igreja e sociedade.
Dito isso, qualquer um que tenha estado na Amazônia sabe muito bem que a autoridade nas tribos indígenas é tudo menos “rotativa”. As tribos indígenas têm uma estrutura ditatorial na qual o poder do chefe é apenas elevado pelo do feiticeiro.
Outro ponto a ser mencionado é que a encíclica Laudato sim é a base doutrinal do Sínodo. Esta encíclica tem partes inspiradas na teologia da libertação ecológica, ou eco-teologia, e partes baseadas em documentos das Nações Unidas, como a Agenda 21 e o Tratado sobre biodiversidade. Estes são tratados vinculantes para todos os países que assinaram durante a Cúpula da Terra no Rio de Janeiro, em 1992. Estes documentos foram estudados e propostos por pesquisadores da Internacional Socialista que buscavam explorar caminhos para o pós-socialismo ou pós-comunismo. Conceitos como “desenvolvimento sustentável” e “crescimento negativo” foram lançados por esses documentos. Então, não estamos falando apenas da Igreja na Amazônia.
O Vaticano parece ter nos últimos anos reforçado sua cooperação com as Nações Unidas.
Exatamente. Uma coisa que me impressiona sobre a encíclica Laudato Sì e sobre o Sínodo Pan-Amazônico é a medida em que o Vaticano está assumindo a agenda neopagã proposta pelas Nações Unidas em conferências como a Cúpula do Rio de 1992 e a Cúpula Rio + 20 em 2012. . Participei, como jornalista, da conferência de 1992, e estudei essas questões em profundidade.

 

O que você acha que as pessoas acharão mais surpreendente sobre a situação na Amazônia no que se refere a este sínodo, além do que já discutimos?

 

Penso que os povos europeus e, em geral, ocidentais, acharão muito chocante que o Sínodo esteja propondo que as tribos amazônicas sejam portadoras de uma nova revelação para nossos tempos que irá renovar toda a visão da Igreja e do catolicismo. Eles chamam a Amazônia de um “lugar epifânico”, uma “fonte de revelação divina” (Instrumentum Laboris, 18, 19). O que eles querem dizer com essa nova revelação indiana ou indígena para o mundo no século 21? É muito preocupante.
Outra coisa que pode chocar as pessoas é o fato de que elas adotam uma interpretação radical do “desenvolvimento sustentável”. Ele diz que o nível de consumo hoje está muito além da capacidade da Terra de produzir alimentos e materiais. Portanto, precisamos reduzir drasticamente nosso nível de consumo adotando modelos mais austeros e mais pobres. E é aí que entra o modelo tribal; eles dizem que os índios podem nos ensinar a ser pobres e felizes. Eles estão propondo a doutrina do buen vivir – “bem viver” (Instrumentum laboris n. 12,13) ​​- que não está vivendo em abundância, mas na pobreza, mas em perfeita comunhão com a natureza. E esta é a “boa vida” que eles estão propondo. Eles são contra a industrialização, eles são contra não apenas o consumismo, mas, na verdade, o consumo. Eles dizem que temos que diminuir nossos níveis de consumo, porque a Terra não pode suportá-lo. Isso também é muito preocupante porque significa que eles querem acabar com toda uma série de vantagens que a civilização industrial trouxe.

 

Quando você diz “eles”, quem você quer dizer?

 

Tanto as pessoas que nas Nações Unidas propõem esta doutrina do desenvolvimento sustentável e as pessoas na Igreja que abraçam a doutrina do desenvolvimento sustentável, que é uma parte essencial do que eles querem fazer no Sínodo. Os documentos propostos para o Sínodo são bastante claros. Eles querem que os índios da Amazônia sejam os evangelizadores do mundo.

 

Através da boa vida …

 

Exatamente, e isso também é muito chocante. É claro que, como cristãos, somos chamados a viver com humildade e modéstia e a cuidar do dom da criação, que foi confiado ao nosso Pai celestial. Mas, se interpretada de forma linear e levada às últimas consequências, esse modo de pensar significa que teríamos de renunciar a muitas vantagens da sociedade moderna. Basta pensar se as pessoas vão renunciar carros, eletricidade ou ar condicionado!
Na coletiva de imprensa de 17 de junho, Sandro Magister observou que, embora o Instrumentum laboris tenha pontos críticos a dizer sobre os pentecostais ou a urbanização, eles só falam positivamente sobre os povos indígenas, sem abordar os males do canibalismo ou do infanticídio ou outras práticas pagãs que ainda são presente em algumas tribos.
Ou feitiçaria. Tanto o Documento Preparatório como o Instrumentum laboris, bem como as declarações das pessoas envolvidas no Sínodo, estão cheios de linguagem negativa em relação à industrialização, ou o que o Papa Francisco chama de “extrativismo”, isto é, a extração de material da terra. ; eles estão cheios de linguagem negativa contra a economia de mercado livre e a propriedade privada. Mas eles não têm nada negativo a dizer sobre as tribos amazônicas, algumas das quais praticam canibalismo, infanticídio e feitiçaria. As tribos indígenas são apresentadas como idílicas. As verdadeiras tribos indígenas são muito diferentes.

 

Gostaria de acrescentar mais alguma coisa?

 

Para alguém como eu que estuda teologia da libertação e teologia indígena há tantas décadas, muitas coisas nesses documentos são perfeitamente claras. Mas para alguém que não seguiu essas correntes, pode ser desconcertante, ou pelo menos não totalmente compreensível.
No entanto, as portas do inferno não prevalecerão. Devemos encarar essa situação com serenidade e esperança, sabendo que Deus às vezes permite que Seu rebanho seja julgado na Fé para que se prove que é digno. E devemos, especialmente, nunca perder ou diminuir nossa veneração pela Sé de Pedro.

 

Fonte: www.lifesitenews.com via  www.sinaisdoreino.com.br via www.rainhamaria.com.br

 

============================

 

Nota do site: (www.rainhamaria.com.br)

 

Lembrando a noticia de 17.03.2013 (há 6 anos atrás)

 

“Francisco surpreenderá com reviravolta na Igreja, diz Leonardo Boff, teólogo da libertação”.

 

n/d

 

O ex-sacerdote brasileiro Leonardo Boff, um dos mais destacados representantes da chamada Teologia da Libertação, acredita que o papa Francisco surpreenderá muitos dando um reviravolta radical à Igreja.
“Agora é Papa e pode fazer o que quiser. Muitos se surpreenderão com o que Francisco fará. Para isso, precisará de uma ruptura com as tradições, deixar para trás a Cúria ultrapassada do Vaticano para abrir passagem para uma nova Igreja universal”, disse Boff em entrevista que será publicada na edição da próxima semana da revista alemã Der Spiegel.
Leonardo Boff, disse também que, embora em muitos aspectos, como o referente aos anticoncepcionais, o celibato e o homossexualismo,  Francisco tenha seguido uma linha conservadora como cardeal, isso se deveu apenas à pressão do Vaticano. Para ele, há elementos que indicam que o novo Pontífice é muito mais liberal, dando novos rumos a Igreja. (Terra noticias)

 

 

 

Fonte: https://www.rainhamaria.com.br/Pagina/23750/Especialista-peruano-em-teologia-da-libertacao-revela-esquema-por-tras-do-Sinodo-da-Amazonia

Publicações Relacionadas

Leave a Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.